ASPECTOS IMPORTANTES DA REVELAÇÃO 4,12539756

...

Por Aug Tellez - em 04/abr/2017

1. Neste universo, a civilização se move de um nível mais alto de complexidade para um nível mais baixo.

2. Tudo é criado a partir de uma nova-point (novo-ponto) de singularidade.

2.1. Somente o supremo criador tem acesso irrestrito a essa singularidade.

2.2. Grupos têm disputado o controle dessa tecnologia, o que gera acesso limitado a essa singularidade e, portanto, permite o controle do reino e das sub-realidades.

2.3. A mente é a força criativa do universo, e isso é um derivativo da totalidade da consciência cósmica.

2.4. A mente é "luz" eletromagnética baseada em tecnologia e é, essencialmente, a interface natural com o universo. Isso está além da tecnologia orgânica ou inorgânica, pois a tecnologia orgânica ou inorgânica é usada para transportar essa mente, seja em um corpo humano, seja em um sistema cibernético.

2.4.1. Essa é parte da ideia de considerar este reino como um ambiente "decaído".

2.5. Aqueles que controlam as mentes da população controlam a supermente, e aqueles que controlam a supermente têm mais acesso à nova-point ("novo ponto") de singularidade.

3. Ideias são o combustível para esta realidade, e geram um organismo máquina bio-técnico.

4. O "sistema operacional" deste reino funciona com ideias e criatividade. Quanto maiores intenção e foco alguém aplica a suas ideias criativas, mais "peso" terão essas ideias dentro do reino.

5. As ideias mais criativas são aquelas do criador que iniciou este reino para além da nova-point. A nova é a constante a partir da qual todas as variações se estendem dentro deste universo.

6. A alegria é a marca do criador.

7. A chave para a alegria é a cessação do sofrimento.

7.1. A chave para a cessação do sofrimento é a experiência da alegria.

7.1.1. A chave para experimentar a alegria é experimentar o sofrimento provocado pelo contraste da sensação.

7.1.2. Assim, a chave para a alegria é experimentar sofrimento suficiente para não mais viver a experiência programada de uma consciência baseada na dualidade, e isso por intermédio de superar o sofrimento final, superando a aceitação da mentalidade do próprio sofrimento.

7.1.3. Este é o despertar do controle da força de vontade e do foco sobre sua experiência.

7.1.3.1. A pessoa pode fazer uma escolha de enxergar o programa de dualidade pelo que ele é, e superar a ilusão e, consequentemente, escolher experimentar, em última instância, o autocontrole.

7.1.3.2. Não obstante a forma como um sistema sensorial é manipulado, o indivíduo tem controle sobre sua experiência interna.

7.1.3.3. Essa é a chave para a alegria e para o fim do sofrimento, não para finalizar o sofrimento. No entanto, por experimentar sofrimento o bastante, escolhe-se jamais permitir novamente que as percepções externas manipulem a forma de alguém se sentir por dentro.

7.1.3.4. Assim, a perda do autocontrole sobre como alguém se sente por dentro é o maior sofrimento.

7.1.3.5. O conhecimento do Self e do universo por meio da harmonia, da compaixão, do livre-arbítrio e do autocontrole são a alegria maior.

7.1.3.6. Quando alguém atinge o fim do sofrimento, a única falta de controle passa ser a falta de controle que outros sentem por não haverem atingido essa alegria.

7.1.3.7. Assim, a única alegria e o único propósito na vida é libertar o próprio Self e a outros do cárcere mental da consciência dual, a ilusão da perda de controle do Self, e a proliferação do sofrimento.